segunda-feira, 10 de julho de 2017

Aguaceiros

Há uns anos que queria ver a Diana Krall ao vivo e parece-me que todos os anos ela marca presença em Viena. Os nossos caminhos nunca se cruzaram, por isso achei que ir vê-la ao Filmfestival da Rathaus seria uma boa oportunidade para colmatar essa falha. 
Lá fui eu e não há vez que lá vá ver um espectáculo (há um ano era a final do Europeu) que não fique estarrecida com o tamanho daquele ecrã e do luxo que é a cidade nos oferecer espectáculos gratuitos durante o Verão todo. 
Confesso que o início do concerto não foi bem do meu agrado, mas a certa altura não sei o que se passou - quer dizer, até sei, mas não quero dizer - e ao começar o Walk on by - e eu dou por mim com lágrimas gordas a rolarem-me pela cara, com direito a soluços e tudo. Por trás da Rathaus havia relâmpagos que iluminavam o céu e em mim soou uma autêntica trovoada. A pressão acumulada saí-me líquida pelos olhos. Lembrei-me tanto daquela vez que fui ver a Adele e foi exactamente a mesma coisa. Agora recordo-me que no ano passado também chorei na Rathaus quando fomos campeões europeus... mas isso foi outra coisa.
Lá sosseguei antes da minha companhia chegar, mas pouco depois foi o céu que resolver soltar as suas lágrimas grossas e nós deixámos a Diana Krall a cantar sozinha e fomos abrigar-nos da chuva e entornar uns copos. Cheguei a casa completamente encharcada, da chuva e do vinho, mas fez-me bem apanhar essa molha (espero)!

2 comentários:

Mergulha ou não?