domingo, 21 de maio de 2017

349º momento cultural: Ganymed fe male

O KHM (Kunsthistorischesmuseum - museu de história da arte) deve ser o museu mais impressionante de Viena. A sua imponência é igualmente marcada pela presença do seu gémeo simetricamente colocado à sua frente o NHM (Naturhistorischesmuseum - museu da história natural). 
O problema destes museus monstruosos é que nunca se consegue ver tudo, pois ao fim de duas salas uma pessoa já está semi-farta e parece tudo igual, vá, pelo menos eu sou assim. Além disso, óleos de Rubens, Bruegels e assim não são exactamente objectos da minha preferência. Por isso, saúdo qualquer iniciativa que revitalize estes museus - não que eles estejam moribundos - mas para mim estão um bocadito pela sua imensidão.
Ganymed é uma dessas iniciativas. Consiste numa série de performances de índole vária (dramatização de um texto, música, representação, etc.) que se baseiam num quadro específico. No caso da presente edição, o tema era o feminismo, por isso os quadros escolhidos tinham como foco uma mulher e a performance correspondente também. Foram cerca de 20 estações com performances distintas, umas mais bem conseguidas do que outras. Gostei particularmente do:

WE SHOULD ALL
BE FEMINISTS
von CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE
über Mädchen im Pelz

von TIZIAN

SEINE GESCHICHTE
von VERONICA BUCKLEY
über Adam und Eva
von CONRAT MEIT
es spielen CHRISTOPH ROTHENBUCHNER

und CARMEN STEINERT

BRIEFE
von GRISCHKA VOSS
über Bogenschnitzender Amor
von JOSEPH HEINTZ D. Ä.

es spielt GRISCHKA VOSS 

ICH BIN AUS BLICKEN GEMACHT
von JOANNA BATOR 
über Das Pelzchen
von RUBENS
es spielt JULIA STEMBERGER

4 comentários:

Boop disse...

Gosto de visitar esses grandes museus sozinha, sem ter de respeitar nem ritmos nem gostos de ninguém.
Parar onexmacapetece. Sentar-me é demorar-me frente a uma obra que me atraía particularmente. Passar sem me deter por alas inteiras sem prestar grande atenção.
O que raramente acontece!!!
O estar sozinha - especialmente fora do país.
Mas já tem acontecido combinar "daqui a x horas encontramo-nos à porta" e cada um segue os seus gostos. Mas não se pode fazer isto com todas as companhias. Até porque com algumas apetece partilhar!

Boop disse...

E iniciativas nos museus?
100% de acordo!

Calíope disse...

Boop: Mas o meu problema não é a companhia, sou eu mesma!

Boop disse...

Pois... Eu percebi...
;)
Eu tenho dias!
É fantástico estar num bom dia num bom museu!